Baseline Circular: dificuldades na análise do comportamento básico em contextos de alto risco   Atualizado recentemente!


O que é baseline?

O ser humano, em condições normais, quando não há a efervescência de emoções ou pensamentos extremos, quando não há preocupação exacerbada, ansiedade e inquietude, se comporta de determinada forma. Quando responde a perguntas que não causam desconforto psicológico, se comporta de determinada forma. Quando não é diretamente ameaçado por uma pergunta que o comprometa, se comporta de determinada forma. E é essa forma de comportamento que vamos assumir como balizadoras por toda a entrevista.

No contexto da segurança pública, em verdade, é natural a presença de uma contínua ansiedade, em virtude da abordagem policial ou de um interrogatório (seja honesto, seja mentiroso). Neste caso, a baseline será traçada dentro de um padrão evoluído de ansiedade. Com ela podemos definir quando um comportamento realmente se excetua aos demais. Em teoria, após estabelecer este padrão é que podemos contrastar movimentos naturais de vazamentos. E, apenas com ela já traçada, há a possibilidade de contrapor conduta e maneira; idiossincrasia e desconforto. Neste caso, a linha de base pode ser estabelecida até mesmo quando alguém está ansioso, pois o comportamento básico será ainda mais excetuado pelo desconforto de uma pergunta estratégica. Essa é, muitas vezes, a regra em uma abordagem policial (a presença de um certo desconforto).

A baseline geralmente é estabelecida no início da entrevista com o que chamamos de perguntas de controle. São perguntas que revelam uma provável verdade e que não representam um incremento do desconforto psicológico do entrevistado: nome, de onde é, com o que trabalha, etc. Seria com estas perguntas que poderíamos traçar um padrão de comportamento inicial e desenvolver um nível comparativo para as perguntas estratégicas e demais estímulos (ainda que estabelecido em uma situação não necessariamente confortável como é o caso de uma abordagem policial).

Baseline em contextos de high stakes é a mesma coisa que uma análise do dia a dia?

 

Esta abordagem (de análise da linha de base) é compartilhada pelo autor deste estudo, mas deve ser analisada com bastante parcimônia e cuidado. Preliminarmente, a fase inicial da entrevista ainda está despertando uma gama de sentimentos negativos no entrevistado em razão das fases da mentira ou da simples abordagem policial. A simples abordagem e presença do profissional fardado ou a sala de interrogatório são estímulos fortes, aptos a desencadear todas as etapas pela qual passa o processo de fabricação da mentira: o abordado transita (CRAIG, 2019) entre a fase cognitiva, resposta do Sistema Nervoso Simpático e até mesmo contramedida. Ou seja, até mesmo quem fala a verdade modula o comportamento.

Não é como se estivéssemos em uma conversa normal, no dia a dia, falando sobre tópicos avulsos, traçando um padrão de comportamento, e de repente uma pergunta difícil desencadeasse um estímulo apto a indicar um vazamento. Aqui o sentimento negativo (seja uma pequena ansiedade) aflora desde os primeiros momentos da abordagem.

A conversa trivial do início de uma entrevista, me parece, serve muito mais ao estabelecimento de um ambiente mais confortável do que propriamente o delineamento de um padrão normal de comportamento do entrevistado. A doutrina informa que a small talk (essa conversa trivial do início) seria um bom ponto de partida para o comparativo comportamental, uma vez que se trata de fase onde o observado geralmente fala a verdade. O problema é que desconsidera que os tópicos abordados na conversa trivial e a fase investigativa divergem substancialmente, de forma que as pessoas podem reagir de forma diferente em razão da simples mudança de tópico (DAVID & HADIKS, 1995).

Seja o verdadeiro, seja o desonesto, em uma abordagem policial, apresentarão comportamentos que dificilmente serão naturais àquela pessoa (esteja ela mentindo ou não). Ainda mais quando se trata da parte investigativa da entrevista (EWENS et. al., 2014). Por essa razão, diz-se que a baseline só faz sentido se comparado o relato alvo com outro de mesmo risco e tópico parecido (VRIJ, 2016): é a chamada comparable truth (verdade comparável).

Ainda sim, existem estudos demonstrando que não é possível diferenciar verdade de mentira utilizando a linha de base da verdade comparável (BOOGARD et. al., 2022; AMADO et. al., 2016; MASIP et. al., 2005).

Naturalmente, uma pergunta estratégica colocada em momento oportuno, após a tentativa de estabelecer um ambiente mais confortável, será apta a desencadear um vazamento muito mais significativo (que se distinguirá dos demais por uma baseline de intensidade e variação).

Além disso, se não conhecemos o comportamento normal de uma pessoa, como saberemos o que não é natural ao agir básico de um indivíduo? Aliás, frise-se: sinal de desconforto, por si só, não é apto a denunciar a dissimulação (é um processo com muitas variáveis: devemos analisar agrupamentos; desconforto pode significar ansiedade em quem fala a verdade; devemos considerar maneirismos e o julgamento errado do que é um ponto de interesse; etc.). Ainda assim, dentro de um contexto, de uma história, realizamos uma análise comparativa comportamental que desvirtue da baseline até então percebida.

Vrij (2005) afirma que conversas triviais trazem pouco risco ao entrevistado, e que as respostas dificilmente trarão alguma consequência negativa. Em contraste, afirma ele, a parte investigativa da entrevista traz à tona situações de alto risco (e eu diria até de incômodo mesmo), especialmente se for realizada de forma mais incisiva, e, estando visível a intenção do policial com aquela bateria de perguntas, tanto quem fala a verdade quanto quem fala a mentira pode demonstrar desconforto e apresentar uma baseline diversa da inicial.

Propõem-se, então, o estabelecimento de uma baseline circular

Percebe-se, mais uma vez, a importância do incremento da empatia e manutenção do rapport, já desde o início de uma entrevista. Tanto mais será visível a diferença comportamental, quanto mais confortável estiver a pessoa no ato do estabelecimento de uma baseline. Ou seja, quer aqui se levantar a hipótese não de que a baseline não seja importante, mas que ela seja estabelecida de forma circular (KERBER, 2020), e não linear.

A baseline é estabelecida ao longo da entrevista, em especial em momentos e assuntos nos quais se percebe maior demonstração de conforto por parte do entrevistado. Ela é constantemente reestabelecida e ressignificada, em especial pelas razões acima expostas e pelo desconforto natural de um contexto policial.

Além dos argumentos suprarreferidos (existência da ansiedade ou desconforto; perguntas triviais não sendo de contexto comparável com perguntas estratégicas; etc.), pesquisas demonstram que observadores que analisaram a linha de base antes de avaliar a veracidade do trecho alvo não foram melhores na detecção da mentira e, na verdade, piores na indicação da verdade (BOOGARD et. al., 2022).

Mas calma, a ideia de linha de base ainda fica mais confusa e de difícil aplicação quando levamos em consideração outros estudos: mentiras raramente são fabulações completas (VERIGIN et. al., 2019) e geralmente são misturas de verdades com mentiras. No estudo de Verigin, Meijer, Vrij e Zauzig (2019), concluiu-se que mentirosos calibram os detalhes de um relato anterior prevendo uma mentira que virá posteriormente. Ou seja, ainda que variados estudos mostrem que relatos verdadeiros são mais ricos em detalhes do que relatos mentirosos (AMADO, 2016; DEPAULO, 2003), os trechos verdadeiros e mentirosos de uma entrevista acabam interagindo e influenciando a quantidade de detalhes um do outro: a) partes da história que precediam uma mentira eram menos detalhados; b) trechos mentirosos eram mais detalhados quando flanqueados por uma verdade do que quando por uma mentira.

Essa regulação que o mentiroso faz, de forma a compatibilizar a riqueza de detalhes de trechos mentirosos com verdadeiros é uma estratégia que dificulta a detecção e o estabelecimento da baseline (pois, justamente, se o mentiroso regula seu comportamento em estágio inicial prevendo o que vai falar no decorrer da entrevista, natural que o primeiro momento da entrevista não seja seu comportamento básico). Ou seja, mais um motivo para a análise da linha de base ser circular (KERBER, 2020).

Participantes de estudo que antecipam a necessidade de mentir em um segundo relato, focam seus esforços cognitivos nesta tarefa desde o início da entrevista (JUNDI et. al., 2013). Essa demanda sequestra sua capacidade de enriquecer a narrativa com detalhes já desde o início, ainda que na parte verdadeira. Neste sentido, talvez não sejam os processos da memória que indiquem a menor quantidade de detalhes nas mentiras (uma vez que o relato não é de todo mentiroso), mas o fato de que maior carga cognitiva é requerida desde o início (VERIGIN et. al., 2020).

Neste sentido, de que mentirosos calibram suas narrativas para que as partes mentirosas não destoem das verdadeiras e que se mantenha uma certa consistência de relato, é correto afirmar que eles: a) aumentem a riqueza de detalhes nas partes mentirosas, para que pareça uma narrativa verdadeira; ou b) reduzam os detalhes da parte verdadeira para que pareça a parte mentirosa (VERIGIN et. al., 2020).

No estudo citado, mentirosos preferiram iniciar com narrativas verdadeiras para paulatinamente inserirem narrativas falsas. O mesmo padrão foi identificado em um estudo envolvendo pedidos mentirosos de seguro (LEAL, VRIJ, NAHARI, & MANN, 2016). Essa tendência se coaduna com as reflexões de Lieberman (2019), quando diz que mentirosos adotam tal tática a fim de se sentirem seguros e confortáveis nos estágios iniciais da entrevista e também porque abordam elementos verdadeiros da narrativa (e, portanto, podem ganhar a confiança do entrevistador).

Uma coisa é estabelecer uma linha de base facial e perceber variações da prototipagem na análise do FACS. Ou realizar uma análise por vídeo, em câmera lenta, durante uma semana, frame por frame, de possíveis pontos de interesse. Outra coisa é considerar, em tempo real, todas variáveis do comportamento humano, traçando linhas comparativas iniciais e posteriores e indicando, com precisão, a variação destes sinais. O esforço cognitivo do observador é bastante elevado.

Conforme demonstrado, a linha de base (que, repito, chamarei de “circular”) é importante para análise, ainda que em tempo real, da resposta corporal ao estímulo provocado (uma pergunta, por exemplo); não é, no entanto, absolutamente fácil de ser verificado, podendo trazer, inclusive, prejuízos para a análise (quando não se levam em conta as particularidades no contexto em que está inserida). O estudo de Boogard, Meijer, Vrij e Nahari (2022) ainda conclui que quem fala a verdade inclui mais detalhes auditivos e temporais nos relatos alvo do que os mentirosos, quando em comparação com o relato da linha de base de ambos – mas que observadores não foram capazes de corretamente identificar aqueles que falavam a verdade. Segundo os autores, quem fala a verdade provavelmente se vê mais motivado a fornecer ricos detalhes na parte crítica da entrevista (ou ao menos tem mais capacidade para tanto).

Para uma melhor acurácia na análise da credibilidade, devemos nos basear mais em pistas verbais (VRIJ, 2019). Somos mais capazes em diferenciar verdade e mentira quando nos detemos à análise do conteúdo verbal (BOOGARD et. al., 2022; AMADO et al., 2016; LUKE, 2019; MASIP et al., 2005b; OBERLEADER et al., 2016; ORMEROD & DANDO, 2015).

Em três estudos envolvendo comparação com linha de base, nenhum foi capaz de trazer resultados significativos de melhoria na análise (CASO et. al., 2019; VERIGIN et al., 2020; e BOOGARD et, al, 2022).

 

Filipe da Costa Kerber é policial, pós graduado em Ciências Criminais (ANHANGUERA) e Educação Transformadora (PUC/RS). É pós graduando em Comportamento Não Verbal e Análise de Credibilidade (ClueLab/FACSM) e em especialização em Comportamento Não Verbal (SinVerba, Argentina).

 

REFERÊNCIAS

AMADO, B. G., ARCE, R., FARINA, F., & VILARINO, M. Criteria-Based content analysis (CBCA) reality criteria in adults: A meta-analytic review. International Journal of Clinical and Health Psychology, 16 (2), 201–210, 2016.

BOOGARD, G., MEIJER, E. H., VRIJ, A., & MERCKELBACH, H. Strong, but wrong: Lay people’s and police officers’ beliefs about verbal and nonverbal cues to deception. 2016.

CASO, L., PALENA, N., CARLESSI, E., & VRIJ, A. Police accuracy in truth/lie detection when judging baseline interviews, Psychiatry, Psychology and Law, 26(6), 841-850, 2019a.

CASO, L., PALENA, N., VRIJ, A., & GNISCI, A. Observers’ performance at evaluating truthfulness when provided with comparable truth or small talk baselines, Psychiatry, Psychology and Law, 26 (4), 571-579, 2019b.

CRAIG, D. Como identificar um mentiroso. E-book. Editora Cultrix: 2019.

VERIGIN, B. L., MEIJER, E. H., BOOGARD, G., & VRIJ, A. Lie prevalence, lie characteristics and strategies of self-reported good liars. 2019A.

DAVIS, M., & HADIKS, D. Demeanor and credibility. Semiotica, 106(1-2), 5–54, 1995.

DEPAULO, B. The Psychology of Lying and Detecting Lies. Disponível em: http://www.belladepaulo.com/2013/02/heres-what-i-know-about-lying-and-detecting-lies/ Acesso em: 13 ago 2021.

DEPAULO, B. M.; LINDSAY, J. J.; MALONE, B. E.; MUHLENBRUCK, L.; CHARLTON, K. & COOPER, H. Cues to deception. Psychological Bulletin, 129,74-11 8. 2003.

DEPAULO, B. et al. A correlação precisão-confiança na detecção de engano

Personality and Social Psychology Review, v. 1,n.4, p.346-357, 1997.

DEPAULO, B. M.; & KIRKENDOL, S. E. The motivational impairment effect in the

communication of deception. In J. C. Yuille (Ed.), Credibility assessment (pp. 51-70). Dordrecht, the Netherlands: Kluwer. 1989.

EWENS, S., VRIJ, A., JANG, M., & JO, E. Drop the small talk when establishing baseline behaviour in interviews. Journal of Investigative Psychology and Offender Profiling, 11(3), 244–252, 2014.

JUNDI, S., VRIJ, A., HOPE, L., MANN, S., & HILLMAN, J. Establishing evidence through undercover and collective intelligence interviewing. Psychology, Public Policy, & Law, 19, 297–306, 2013.

KERBER, F. C.

LEAL, S., VRIJ, A., NAHARI, G., & MANN, S. Please be honest and provide evidence: Deterrents of deception in an online insurance fraud context. Applied Cognitive Psychology, 30, 768–774, 2016.

LUKE, T. J. Lessons from pinocchio: Cues to deception may be highly exaggerated. Perspectives on Psychological Science, 14(4), 646-671, 2019.

LUKE, T.J.; HARTWIG, M.; BRIMBA, L.; CHAN, G.; JORDAN, S.; JOSEPH, E.;

OSBORNE, J.; GRANHAG, P.A. Interviewing to elicit cues to deception: improving strategic useof evidence with general-to-specific framing of evidence. Journal of Police and Crim-inal Psychology 28, 54–62. 2012.

MASIP, J., SPORER, S. L., GARRIDO, E., & HERRERO, C. The detection of deception with the reality monitoring approach: A review of the empirical evidence. Psychology, Crime & Law, 11(1), 99–122, 2005.

MASIP, J., & HERRERO, C. Police detection of deception: Beliefs about behavioral cues to deception are strong even though contextual evidence is more useful. Journal of Communication, 65(1), 125–145, 2015.

OBERLADER, V. A., NAEFGEN, C., KOPPEHELE-GOSSEL, J., QUINTEN, L., BANSE, R., & SCHMIDT, A. F. Validity of content-based techniques to distinguish true and fabricated statements: A meta- analysis. Law and Human Behavior, 40(4), 440–457, 2016.

ORMEROD, T. C., & DANDO, C. J. Finding a needle in a haystack: Toward a psychologically informed method for aviation security screening. Journal of Experimental Psychology: General, 144(1), 76–84, 2015.

VERIGIN, B. L., MEIJER, E. H., & VRIJ, A. A within-statement baseline comparison for detecting lies, Psychiatry, Psychology and Law, 28(1), 94–103, 2021.

VERIGIN, B. L., MEIJER, E. H., VRIJ, A., & ZAUZIG, L. The interaction of truthful and deceptive information, Psychology, Crime & Law, 26(4), 367–383, 2019B.

VRIJ A. Beliefs about nonverbal and verbal cues to deception. In A. Vrij (Ed.), Detecting lies and deceit (pp. 115–140), 2008.

VRIJ, A. Detecting lies and deceit. 5 ed. Chinchester: John Willey, 2005.

_______Vamos proteger sua esposa e filho, mas apenas se você confessar. Adversarial versus Justiça Inquisitorial, p.55-79, 2003.

VRIJ, A. Detecting Lies and Deceit – Pitfalls and Opportunities. Wiling Series in the Psychology of crime, Policing and Law, 2005.

VRIJ, A. Nonverbal dominance versus verbal accuracy in lie detection: A plea to change police practice. Criminal Justice and Behavior, 2008.

VRIJ, A., GRANHAG, P. A. Eliciting cues to deception and truth: what matters are the questions asked. Journal of Applied Research in Memory and Cognition 1, 110–117, 2012.

VRIJ, A.;PORTER, S.; GRANHAG, P. A. Pitfalls and Opportunities in Nonverbal and Verbal Lie Detection. Psichological Sciencie in the Public Interest. 2011.

VRIJ, A. Why professionals fail to catch liars and how they can improveLegal and Criminological Psychology, 9(2), 159–181. 2004.

VRIJ, A. Detecting lies and deceit: The psychology of lying and the implications for professional practice. Chichester: John Wiley. 2000.

VRIJ, A. Deception and truth detection when analyzing nonverbal and verbal cues. Applied Cognitive Psychology, 33(2), 160–167, 2019.

VRIJ, A. Baselining as a Lie detection method. Applied Cognitive Psychology, 30(6), 1112–1119, 2016.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.